Em Ação

Como melhorar o acesso à água nas escolas?

Posted at 24/03/2011 | By : | Categories : Em Ação | Comentários desativados em Como melhorar o acesso à água nas escolas?

Como melhorar o acesso à água nas escolas?

Fonte: Mercado Ético – Acácio Lourete, Christian Lehmann e Raquel Tsukada, do Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo*

Fotografia tirada em GANA, Enviada por Canadian Crossroads International.
Em muitos países, os esforços para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), de
ensino primário universal levaram a um aumento do número de escolas construídas.O fato de que mais crianças possam ter a oportunidade de freqüentar a escola é uma condição necessária mas não suficiente para garantir a educação primária adequada. Insumos complementares como o número e a qualidade dos professores também são importantes. Aqui vamos focalizar o fornecimento adequado de água como um dos principais fatores determinantes para que os alunos adquiram uma boa educação que atenda às normas internacionais.

Um grande obstáculo à aprendizagem é a falta de capacidade física para absorver o que está sendo ensinado. Sem um mínimo de calorias, o desenvolvimento de habilidades cognitivas é prejudicada. E uma elevada incidência da pobreza é geralmente acompanhado por impressionantes níveis de má nutrição: nos países em desenvolvimento, cerca de 32,5 por cento das crianças estão subnutridas. A desnutrição também contribui para a mortalidade infantil de 10,9 milhões por ano a nível mundial. Para além destas disfunções, outros sintomas são mais claramente evidentes. Após longas caminhadas para a escola muitas crianças chegam com fome e sede, com pouca energia sobrando para prestar atenção.

Uma infra-estrutura complementar promissora para construção de escolas é a de Captação de Águas da Chuva (CAC). Esta é uma tecnologia de baixo custo para coleta e armazenamento de escoamento de águaspluviais. Área suficiente de cumeeira nas escolas permite que uma grande quantidade de água a ser coletada durante a estação das monções, que são desviadas das calhas para tanques de armazenamento fechados (também chamado de cisternas).

Como pode a CAC contribuir diretamente para a realização da educação primária universal? Primeiro, a CAC aumenta o tempo efetivo que as crianças passam em sala de aula. Em muitas escolas primárias nos países em desenvolvimento, particularmente em regiões remotas e semi-áridas, os alunos devem trazer a água para preparar a merenda escolar ou para beber. Estas crianças passam uma parte significativa do seu tempo coletando água, muitas vezes a partir de fontes distantes. A CAC reduz a demanda por água de tais fontes.

O tempo que as crianças poupam é então gasto em um maior número de horas eficazes em sala de aula. Há também uma consideração de gênero: as alunas geralmente matam as aulas se instalações sanitárias adequadas e água não são fornecidos. O custo anual para as meninas é estimado como equivalente a um mês inteiro de aulas perdidas.

Em segundo lugar, a CAC melhora a saúde das crianças. Estudos têm demonstrado que a lavagem das mãos com sabão pode reduzir pela metade a incidência de diarréia, a segunda principal causa da mortalidade infantil de menores de cinco anos (Curtis e Cairncross, 2003). Doenças bacterianas são corolários freqüente. Um terço das 1,2 bilhão de pessoas infectadas ou em risco de estarem infectadas com helmintíases intestinais são crianças.

A água da chuva, quando apropriadamente armazenada, elimina o risco de infecções transmitidas por doenças transportadas pela água e pela falta de higiene com água . Se a água potável está disponibilizada, hortas podem ser cultivadas. As frutas e vegetais que podem ser cultivados potencialmente aumentam a ingestão calorífica dos alunos, melhorando diretamente a sua capacidade de aprendizagem e saúde em geral.

Em terceiro lugar, a CAC relaxa a restrição orçamentária para as escolas. Por exemplo, se uma escola compra água para satisfazer uma determinada parte de sua demanda, a CAC reduz as contas de água. O dinheiro economizado pode ser investido em salários de professores e melhorias de infra-estrutura.

Finalmente, a CAC ao nível escolar tem repercussões positivas. Programas na Índia têm mostrado que a construção da tecnologia de águas pluviais, especialmente quando membros da comunidade são os interessados ( co-financiando a cisterna ou assumindo o controle de seu uso eqüitativo) tem um efeito positivo de transbordamento de conhecimento sobre a comunidade. As crianças são muitas vezes “embaixadoras” do conhecimento para seus domicílios. Elas facilmente adotam novas práticas e, portanto, estão abertas a aprender sobre gestão da água, a importância da higiene, as conseqüências do consumo de água de fontes inseguras, e as vantagens de ter uma cisterna em sua própria casa.

A CAC é uma atividade complementar promissora e é relativamente acessível a baixo custo (o custo médio de material para uma cisterna de ferrocimento de 16m3 nos países em desenvolvimento é de cerca de US$ 950). Mas abraçá-la continua a ser um desafio para o orçamento limitado escolas. Estratégias de financiamento inovadoras e dirigidas pela comunidade, como esquemas de mutirão, são necessárias para aumentar as práticas de captação de água da chuva (veja Lehmann e Tsukada, no prelo).

Fotografia tirada no PAQUISTÃO, Enviada por Yusuke Harada.
Assim, a fim de manter progresso firme no sentido dos ODM da educação, mais do que abrigos físicos precisam ser construídos. Os alunos que estão propensos a abandonar a escola precisam de incentivos adicionais para assistir às aulas. Segurança de água parece ser um forte incentivo por causa de seus vários benefícios associados. Onde o acesso ao fornecimento de serviço de utilidade pública é um pouco escassa, a CAC é uma solução barata, promissora e sem agredir o meio-ambiente. P financiamento e o intercâmbio das melhores práticas para a modernização da tecnologia são o que parece estar em falta.

Referências:
Curtis, C. e S. Cairncross (2003). “Effect of Washing Hands with Soap on Diarrhoea Risk in the Community: A Systematic Review”, The Lancet Infectious Diseases 3 (5), 275-281.
Lehmann, C. e R. Tsukada (no prelo). “Low-Cost Technologies Towards Universal Access to Safe Water-The Case of Rainwater Harvesting”, IPC-IG Policy Research Brief. Brasília,
Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo.

Saiba mais
O Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG) é o fórum global das Nações Unidas para o diálogo e aprendizado Sul-Sul sobre políticas inovadoras para o crescimento inclusivo. A partir de sua sede em Brasília, o IPC-IG dedica-se à promoção de conhecimento entre os países em desenvolvimento visando à formulação, implementação e avaliação de políticas e programas que levem a um processo de crescimento com inclusão social. As áreas de trabalho são: proteção social e transferências de renda; desenvolvimento rural e sustentável; e inovações para o desenvolvimento.

Sítio eletrônico: http://www.ipc-undp.org/HomePort.do

(Mercado Ético/IPC-IG/PNUD)

Comente esta notícia:
www.martinsambiental.com.br
Martins Ambiental é uma empresa que coleta óleo de cozinha usado e dá destinação sustentável para o resíduo óleo de cozinha usado, óleo de fritura, óleo vencido, gordura de fritura, restos de óleo de soja de fritura usado, gordura vegetal usada, gorduras de fritura em geral, recolhemos em comércios, indústria, padarias,bancas e barracas de pastel, bancas e barracas de salgadinhos, escolas, condomínios, etc. Trabalhamos com a conscientização da população através de treinamento, palestras cursos.
Fazemos coleta seletiva de óleo de cozinha usado em condomínios, escolas, espaços em geral.
A Martins Ambiental também Assessora e presta Consultoria para empresas que desejam obter as certificações ISO 9.000, ISO 9.001, ISO 14.000 e ISO 14.001
tel. 011-3592-4795 e-mail: contato@martinsambiental.com.br

About martins

Comments are closed.